Arritmia Cardíaca: entenda os sintomas e tratamentos

Arritmia Cardíaca: entenda os sintomas e tratamentos

Doctor's hands hold result of the cardiogram next to patient sitting. Examination of the cardiovascular system concept.

Entrevista com o cardiologista Prof. Dr. Adalberto M. Lorga Filho

O coração funciona como uma espécie de bomba que garante o impulsionamento do sangue para todo o corpo e a frequência desse bombeamento é fundamental para que o oxigênio e os nutrientes sejam distribuídos e atendam às necessidades do organismo.

Quando ocorre uma mudança na frequência do ritmo de bombeamento, os batimentos cardíacos ficam desordenados, às vezes mais lentos ou mais rápidos, e a essa variação se dá o nome de arritmia.

Na entrevista com o cardiologista Prof. Dr. Adalberto M. Lorga Filho, responsável pelo Setor de Arritmia Clínica, Eletrofisiologia e Estimulação Cardíaca do Instituto de Moléstias Cardiovasculares (IMC) e do Setor de Eletrofisiologia do Hospital de Base da Faculdade de Medicina de Rio Preto (FAMERP), vamos saber mais sobre a doença, seus sintomas e tratamentos.

O que é Arritmia Cardíaca?

Arritmia é um termo genérico e abrangente que engloba qualquer tipo de variação anormal do ritmo cardíaco.

Como o paciente desenvolve a Arritmia Cardíaca?

As arritmias cardíacas podem ser secundárias a problemas cardíacos prévios como infarto, insuficiência cardíaca e doenças congênitas cardíacas. Também podem ser decorrentes de alterações elétricas primárias do coração, algumas vezes de origens genéticas e outras que não apresentam causas especificas, sendo chamadas de idiopáticas.

Quantos tipos de Arritmias existem? Quais são os principais?

Temos muitas formas de arritmias, mas basicamente elas se dividem em Bradiarritmias (arritmias que provocam o alentecimento dos batimentos cardíacos) e as Taquiarritmias (arritmias que aceleram os batimentos cardíacos de forma anormal).

O que caracteriza a Arritmia?

Arritmia de forma geral é caracterizada por qualquer alteração anormal do ritmo cardíaco.

Quais são os sintomas?

O quadro clínico das arritmias pode variar muito, desde formas assintomáticas até causarem morte súbita como sua primeira manifestação. Normalmente os sintomas mais frequentes relacionados às arritmias são palpitações, cansaço, tonturas, ameaça de desmaios e menos frequentes os desmaios, os quais apresentam maior gravidade.

Como é feito o diagnóstico?

O diagnóstico, quando o paciente apresenta sintomas, deve ser realizado pelo médico através de uma avaliação clínica detalhada e confirmada com exames indicados para cada caso. Entre os exames para diagnóstico, o principal ainda é o Eletrocardiograma. Entretanto, exames como Holter, teste de esforço e até exames mais invasivos como o Estudo Eletrofisiológico, quando corretamente indicado, contribuem muito para o diagnóstico. Nos pacientes assintomáticos as arritmias podem ser diagnosticadas nas avaliações e exames de rotina.

Quais os tipos de tratamento e qual a diferença entre eles?

O tratamento das arritmias varia muito e nem sempre estão correlacionados com sintomas. Alguns pacientes assintomáticos apresentam riscos e devem ser tratados independente dos sintomas. Quando há necessidade de tratamento, o que nem sempre é necessário, o tratamento pode ser realizado com remédios, mudanças de hábitos de vida, ablação por cateter (tratamento indicado para algumas arritmias que aceleram o coração, um mapeamento elétrico do coração realizado por cateteres que são introduzidos pelas veias e permitem a identificação e eliminação do circuito ou foco da arritmia), implante de dispositivos como Marcapasso (nos casos de coração muito lento) e desfibrilador (para prevenção de morte súbita em pacientes com alto risco de arritmias malignas).

Quais as possíveis complicações?

As complicações relacionadas ao tratamento dependem do tipo de terapêutica indicada. O ideal é que os pacientes com arritmias sejam avaliados por especialista devidamente habilitados pela Sociedade Brasileira de Arritmias Cardíacas e Sociedade Brasileira de Cardiologia. Uma vez bem indicado o tratamento, a relação risco/benefício será sempre muito mais favorável ao benefício. Apesar de que em qualquer tratamento instituído sempre haverá algum risco, mesmo que mínimo. Por isso é muito importante o tratamento ser realizado por equipe especializada e em local adequado e bem equipado. Uma das complicações conhecidas que devemos evitar, principalmente com o tratamento com remédios, é a ocorrência de arritmias às vezes mais graves que a que está sendo tratada, causadas pelo uso incorreto de alguns medicamentos antiarrítmicos.

É possível prevenir a Arritmia?

Sim! Muitas das arritmias são adquiridas com o tempo e secundárias ou facilitadas por doenças pré-existentes como hipertensão arterial, diabetes, infartos, etc. A maioria das medidas sabidamente saudáveis para manutenção de uma vida regrada previnem ou reduzem os riscos de ocorrência dessas arritmias. Já outras arritmias, as quais os pacientes já nascem com elas, essas a prevenção é menos eficiente e o tratamento deve ser realizado assim que indicado.

WhatsApp
Enviar WhatsApp