Como a água pode preservar a saúde dos seus rins.

Como a água pode preservar a saúde dos seus rins.

O Dia Mundial do Rim é comemorado anualmente na segunda quinta-feira do mês de março, a data foi idealizada pela International Society of Nephrology (ISN) com o objetivo de aumentar a conscientização sobre a crescente presença de doenças renais em todo o mundo e a necessidade de estratégias para a prevenção e o gerenciamento dessas doenças.

Existem alguns fatores de risco para o desenvolvimento das doenças renais: a diabetes, a hipertensão, a obesidade, o sedentarismo, o alcoolismo e casos na família podem tornar as pessoas mais propensas em desenvolver algum tipo de doença renal. Porém, existe também um fator que é silencioso, mas igualmente perigoso: beber pouca água.

Sem dúvidas, a água é fundamental para a saúde e o bom funcionamento de todo o corpo, mas para os rins ela é ainda mais imprescindível. Os rins requerem cerca de 80% de água e dependem fortemente dela para exercer suas funções primordiais de filtrar o sangue para eliminar as impurezas do organismo, através da urina; regular a pressão arterial, controlar a quantidade de sal e água do organismo, produzir hormônios que evitam a anemia e as doenças ósseas, entre outras. Ou seja, quando os rins perdem a capacidade de executar bem suas funções o corpo todo sofre.

Segundo a educadora norte americana, Mia Nacamulli, “quando o corpo se desidrata as terminações nervosas do hipotálamo do cérebro enviam sinais para a liberação de um hormônio antidiurético, que chega até os rins e estimula as aquaporinas (proteínas das membranas das células que podem transportar moléculas de água) permitindo a retenção de mais água no corpo”. Por consequência disso, a urina fica mais escura e com um cheiro mais forte, há menos vontade de urinar e, com a concentração de urina como forma de reserva, formam-se as pedras nos rins e na bexiga, conhecidas como cálculo renal. Também há menos produção de saliva, além de possíveis tonturas pela tentativa do cérebro de se adaptar à falta do líquido.

Por isso beber pelo menos 2 litros de água durante o dia é essencial e faz toda a diferença quando o assunto é saúde dos rins. É importante também lembrar que não se deve esperar ter sede para tomar água. Especialista afirmam que a sede é um sinal de que o corpo já está desidratado, precisando de água há muito tempo, e muitas pessoas ignoram esse sinal.

Para aqueles que não têm o hábito de tomar água em abundância é possível calcular a quantidade ideal por dia e saber se está conseguindo atingir o mínimo necessário. É preciso multiplicar seu peso em kg por 35 ml para obter o resultado, por exemplo: uma pessoa com peso de 70 kg X 35 = 2.450 ml ou 2 litros e 450 ml de água por dia.

Tema do Dia Mundial do Rim em 2021: “Vivendo bem com a doença renal”

O objetivo este ano é o de conscientizar e orientar o paciente com doença renal crônica (DRC) quanto aos próprios sintomas, para que possa participar, de forma mais efetiva, na rotina da vida cotidiana. Embora medidas eficazes de prevenção e progressão da DRC sejam importantes, os pacientes com doença renal – incluindo aqueles que dependem de diálise, e os transplantados renais – devem sentir-se apoiados, junto aos seus familiares e acompanhantes, especialmente durante pandemias e outros períodos críticos. A inclusão dos pacientes com DRC na vida cotidiana é o foco principal desta campanha, tendo como objetivo final, o de viver bem com a doença renal.

Consideramos que o Dia Mundial do Rim 2021 repetirá o grande sucesso dos anos anteriores, sucesso este que se reflete no número progressivamente maior de atividades, sendo o Brasil se destacado em ações em todo o mundo. Para isto, há o engajamento de diversos profissionais de saúde, assim como de grande parte dos associados da Sociedade.

Sobre a Doença Renal Crônica

A doença renal crônica (DRC) se caracteriza por lesão nos rins que se mantém por três meses ou mais, com diversas consequências. Em geral, nos estágios iniciais, a DRC é silenciosa, ou seja, não há sintomas ou são poucos e inespecíficos. Por isto, o diagnóstico pode ocorrer tardiamente, quando o funcionamento dos rins já está bastante comprometido, muitas vezes em estágio muito avançado, quando é necessário tratamento de diálise ou transplante renal. Assim, são fundamentais a prevenção e o diagnóstico precoce da doença, com exames de baixo custo, como a creatinina no sangue e o exame de urina simples.

Fontes:

– Sociedade Brasileira de Nefrologia

– Biblioteca Virtual em Saúde

– BBC Brasil

– Água Mineral Treze Tílias

WhatsApp
Enviar WhatsApp