Cardiopatia Congênita: como evitar essa malformação do coração?

Cardiopatia Congênita: como evitar essa malformação do coração?

A doença cardíaca congênita, ou cardiopatia congênita, é uma malformação do coração ou dos vasos sanguíneos adjacentes. A doença pode acometer recém-nascidos ou o feto, mas também pode se manifestar meses ou anos depois do nascimento.

Existem diferentes tipos de defeitos cardíacos congênitos, alguns podem ser considerados leves e representar um baixo risco para a saúde da criança; já outros podem ser graves ao ponto de necessitar de cirurgia imediata. As causas das doenças cardíacas congênitas são desconhecidas, embora já tenham sido identificados vários fatores que podem aumentar o aparecimento dessas doenças. Por isso, existem medidas de prevenção primárias que podem reduzir a frequência com que esses defeitos congênitos aparecem. Considerando que uma parcela das cardiopatias congênitas é diagnosticada por ultrassom, em exames de rotina realizados pela grávida para monitorar o progresso da gravidez e o estado de saúde da mãe e do feto, o pré-natal, se torna um importante aliado para que a cardiopatia congênita seja diagnosticada de forma precoce e auxilie no prognóstico do paciente.

Outras medidas que ajudam na prevenção:

– Melhore a sua dieta alimentar durante a gravidez, aumentando o consumo de alimentos com vitaminas e minerais, como ácido fólico. 

– Elimine o fumo e as bebidas alcoólicas durante a gravidez.

– Controle os níveis de glicose no sangue, principalmente no caso de a gestante sofrer de diabetes.

– Evite a exposição a substâncias tóxicas.

Como são classificadas as Cardiopatias Congênitas:

  1. Cardiopatia congênita cianótica

Este é o tipo de cardiopatia considerada mais grave, o defeito pode afetar de forma significativa a capacidade de oxigenação do sangue e provocar falta de ar, desmaios, convulsões e até a morte. O ideal é que esse tipo de cardiopatia congênita seja diagnosticada o mais cedo possível, ainda no útero materno ou logo após o nascimento, para que seja possível programar uma intervenção e evitar sequelas. As principais cardiopatias congênitas cianóticas são:

Tetralogia de Fallot: a combinação entre o estreitamento na valva que permite a passagem de sangue para os pulmões, a comunicação entre os ventrículos cardíacos, a hipertrofia do ventrículo direito e a alteração no posicionamento da aorta provocam o impedimento do fluxo de sangue do coração para os pulmões.

Anomalia de Ebstein: dificulta o fluxo sanguíneo por anomalias na valva tricúspide, que comunica as câmaras do coração direito.

Atresia pulmonar: causa ausência de comunicação entre o coração direito e pulmões, impedindo que o sangue seja oxigenado corretamente.

2. Cardiopatia congênita acianótica

Este tipo de cardiopatia nem sempre provoca alterações muito graves no funcionamento do coração. A quantidade e intensidade dos sintomas depende do defeito cardíaco, pode aparecer somente durante algum esforço, causar uma insuficiência cardíaca ou simplesmente não ter sintoma nenhum. Por esse motivo estas alterações podem ser descobertas logo após o nascimento, ou apenas na idade adulta. As principais são:

Comunicação interatrial (CIA): quando ocorre uma comunicação anormal entre os átrios.

Comunicação interventricular (CIV): quando há um defeito entre as paredes dos ventrículos, que provoca a mistura de sangue oxigenado e não oxigenado.

Persistência do canal arterial (PCA): existe um canal no coração do feto que liga o ventrículo direito à aorta, para que o sangue siga em direção à placenta e receba oxigênio, esse canal fecha naturalmente logo após o nascimento. A sua persistência pode provocar dificuldades na oxigenação do sangue.

Defeito no septo atrioventricular (DSVA): provoca uma comunicação inadequada entre o átrio e o ventrículo, dificultando a função cardíaca.

Tratamento das cardiopatias congênitas

O tratamento da cardiopatia congênita é feito conforme o quadro que o paciente apresenta. Alguns casos não necessitam de tratamento, pois o quadro pode evoluir para uma cura espontânea. Já as cardiopatias mais graves geralmente apresentam a opção de tratamento farmacológico ou cirúrgico.

Tratamento percutâneo de Coarctação de Aorta com implante de Endoprótese (Realizado pelo cardiologista e intervencionista Dr. Dárcio Gitti de Faria, na Hemodinâmica do IMC):

Imagem antes do procedimento
Imagem depois do procedimento

Tratamento farmacológico: é administrado na fase aguda, quando o paciente sofre angina ou infarto, devido à oclusão total da artéria.

Tratamento cirúrgico: ocorre em problemas graves ou quando a medicação é insuficiente. A cirurgia é feita na artéria. Angioplastia ou revascularização percutânea, cirurgia de revascularização do miocárdio ou ponte de safena.

Tratamento percutâneo:  é realizado através da inserção de um cateter em uma veia ou artéria. Ele chega até o coração, onde são realizadas as correções necessárias, como o fechamento de CIV (Comunicação interventricular), CIA (Comunicação interatrial), coarctação de aorta, PCA (Persistência do canal arterial), Fístulas arteriovenosas, Estenose pulmonar e Estenose aórtica. O procedimento é realizado na Hemodinâmica e é menos invasivo.

Tratamento de longo prazo: consiste na modificação do estilo de vida do paciente. Pare de fumar, controle do consumo de álcool, dieta balanceada, exercícios regulares, controle dos fatores de risco, etc.

WhatsApp
Enviar WhatsApp